DPOC

O QUE É

A Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) se caracteriza por obstrução a entrada e saída de ar dos pulmões, dificultando a respiração. Estão presentes na DPOC uma bronquite crônica e o enfisema. Na bronquite crônica os brônquios ficam inflamados, estreitos e cheios de secreção. Já o enfisema é a destruição de áreas do pulmão substituído partes funcionantes por bolhas de ar.

Embora a doença seja diagnosticada mais frequentemente em pessoas na faixa dos 50-60 anos de idade, a DPOC começa na infância. Exposição a fumaça e infecções  durante a infância são fatores de risco para desenvolver a doença na idade adulta.

A DPOC não tem cura, mas com um tratamento adequado é possível retardar a progressão da doença e controlar os sintomas para uma vida com menos complicações.

Converse com seu médico, esclareça suas dúvidas e sempre escute seu pulmão.

DIAGNÓSTICO, CAUSAS E SINTOMAS

A DPOC é uma doença respiratória comum, e apesar de ser semelhante à asma, a ela é progressiva e pode se tornar muito grave com o passar do tempo. Para ter certeza se está com a doença, é indicado realizar um exame respiratório chamado Espirometria e procurar um pneumologista para avaliar e medicar quando necessário.

O principal fator de risco para a DPOC é o tabagismo. Porém, existem outros fatores que podem contribuir com seu desenvolvimento:

  • Exposição à fumaça em casa ou no trabalho
  • Susceptibilidade genética
  • Infecções respiratórias na infância
  • Prematuridade e baixo peso ao nascer

Um dos principais sintomas da doença é a falta de ar. Mas também é preciso ficar atento em outros sinais:

  • Cansaço
  • Tosse persistente seguida de muco
  • Infecções respiratórias
  • Chiado no peito

A DPOC é uma doença progressiva e se agrava com o tempo. Normalmente sua evolução é gradual, porém quando os sintomas se acentuam extremamente rápidos, ocorre o que se chama de exacerbação.

As exacerbações podem chegar a ser fatais, e muito provavelmente a pessoa precisará de assistência médica imediata.

TRATAMENTO 

A DPOC pode ser identificada e confirmada por meio de um teste de diagnóstico simples, chamado Espirometria. Este teste mede quanto e em que velocidade e quantidade de ar que a pessoa consegue expirar.

Além disso, também é possível avaliar o impacto da doença através do Teste de Avaliação da DPOC (CAT), que consiste em um questionário que avalia o bem-estar e o dia a dia da pessoa com DPOC.

Por isso é importante falar sempre com um pneumologista. Somente ele poderá prescrever um tratamento medicamentoso adequado para controlar os sintomas da doença e ajudar na melhora de uma vida com mais qualidade.

Tratar a DPOC é essencial. Mas fazer alguns ajustes no estilo de vida podem ajudar no controle da doença. Parar de fumar, evitar poluição, identificar produtos que possam irritar o pulmão, fazer uma alimentação adequada, condicionamento físico com prática de caminhada leve e exercícios de alongamento são boas dicas para reduzir o impacto da doença.

É fundamental o acompanhamento de um profissional.

DPOC NO BRASIL

A DPOC é uma das principais causas de morbidade crônica e de mortalidade no mundo. A OMS, Organização Mundial da Saúde, prevê ser a 3a maior causa de morte no mundo até 2020, e o desafio neste cenário ainda está relacionado ao diagnóstico precoce.

Estima-se que existam, no Brasil, 7 milhões de pessoas com DPOC, e a maioria ainda não diagnosticada.